Notícias

JANEIRO ROXO

Palestra conscientiza sobre importância do diagnóstico e tratamento precoce da hanseníase

Dados da Sociedade Brasileira de Dermatologia, apontam que, no Brasil, cerca de 30 mil novos casos da doença são detectados todos os anos

Publicado em: 20/01/2022 por Paula de Társsia

Secretaria de Saúde

Palestra conscientiza sobre importância do diagnóstico e tratamento precoce da hanseníase

Palestra ocorreu na Unidade Básica de Saúde do Parque Buriti, e contou com a participação de profissionais da saúde e comunidade em geral. (Foto: Assessoria)

Como parte das atividades do Janeiro Roxo, a Secretaria Municipal de Saúde, por meio da Vigilância em Saúde, realizou nesta quinta-feira (20), uma palestra de conscientização sobre a hanseníase, para agentes comunitários de saúde e população em geral. A campanha Janeiro Roxo busca conscientizar sobre as manifestações clínicas da doença, e alertar para importância do diagnóstico e tratamento precoce da hanseníase.

Dados da Sociedade Brasileira de Dermatologia, apontam que, no Brasil, cerca de 30 mil novos casos da doença são detectados todos os anos. “Embora seja uma doença com tratamento e cura, ela ainda carrega um estigma social grande, que pode dificultar a busca pelo diagnóstico e o tratamento precoce. Sabemos que quanto mais cedo é descoberta, maior a chance do paciente evoluir sem sequelas e diminuir as chances de transmissão. Então, a palestra visa trazer esclarecimentos, inclusive, sobre o tratamento o qual é gratuito pelo SUS”, explica o secretário de Saúde, Alcemir Costa.

Em Imperatriz, atualmente, 121 pacientes estão em tratamento contra a hanseníase, e 363 pessoas, que tiveram contato com os casos confirmados, estão sendo monitoradas a respeito de possíveis sintomas. “Além do trabalho de conscientização, as nossas equipes fazem esse acompanhamento constante desses casos”, explica a coordenadora da Vigilância em Saúde, Giselly Vieira.

A hanseníase é causada por uma bactéria que afeta primariamente a pele e os nervos. De acordo com a Sociedade Brasileira de Dermatologia, a maioria da população consegue se defender naturalmente da bactéria, no entanto, cerca de 10% da população não tem esses mecanismos de proteção e, por isso, podem adoecer. Ao iniciar o tratamento, o paciente não transmite mais a doença.

Alguns sinais e sintomas

• Manchas (esbranquiçadas, amarronzadas e avermelhadas) na pele com mudanças na sensibilidade dolorosa, térmica e tátil.

• Sensação de fisgada, choque, dormência e formigamento ao longo dos nervos dos membros

• Perda de pelos em algumas áreas e redução da transpiração

• Inchaço e dor nas mãos, pés e articulações

• Dor e espessamento nos nervos periféricos

• Redução da força muscular, sobretudo nas mãos e pés

• Caroços no corpo

• Pele seca

• Olhos ressecados

• Feridas, sangramento e ressecamento no nariz

• Febre e mal-estar geral

Notícias